Home / Saúde / Tomar AAS quando estiver infartando e tossir a cada dois segundos é eficaz?

Tomar AAS quando estiver infartando e tossir a cada dois segundos é eficaz?

Getty Images

Grande parte das recomendações populares se mostram falsas, mas será esse o caso de tomar AAS e tossir bastante quando se percebe um infarto? Especialistas esclarecem dúvidas

De tempos em tempos, alguma recomendação popular intriga e a pergunta fica no ar: será que funciona? Grande parte delas é falsa e chega até a oferecer risco à saúde. Seria esse o caso da crença de muita gente de que, quando alguém perceber que está infartando, deve tomar comprimidos de ácido acetilsalicílico (AAS), começar a tossir a cada dois segundos e correr para o hospital?

Quando se fala do AAS, essa informação procede, sim. Os especialistas explicam que o AAS é um excelente prolongador de vida. O cardiologista do Instituto do Coração de São Paulo (Incor) Alexandre Soeiro conta que o medicamento é fundamental no tratamento do infarto e que diminui as taxas de mortalidade quando administrado nas doses de 200 a 300 mg (o equivalente de dois a três comprimidos de AAS infantil). “No entanto, a avaliação médica é fundamental para saber se é um infarto ou se há outro diagnóstico envolvido”, conta.

O cardiologista do Hospital do Coração (HCor) César Jardim explica que estudos mostraram que o AAS é capaz de reduzir a mortalidade em até 25%. “É de fato comprovado que o medicamento traz benefícios, e há clássicos estudos na literatura cardiológica que demonstram que, quando se tinha o uso do AAS na fase inicial do infarto, isso fez uma diferença de 25% na mortalidade. Foi o pontapé inicial do que está consolidado”, recomenda ele.

César Jardim conta que, quando um paciente chega ao pronto-socorro tendo um infarto, a primeira coisa que o médico vai fazer é realmente ministrar o AAS para essa pessoa. “É uma conduta aceita e estabelecida em qualquer hospital, em qualquer lugar do mundo. Por outro lado, precisamos ter um pouco de cuidado para o paciente usar em casa, porque ele pode achar que está tendo um infarto e não está”, conta ele, se referindo aos sinais difusos desse evento cardiovascular. “No entanto, se ele tomar AAS, não vai atrapalhar”, reflete.

Dosagem baixa

Nas doses de 200 a 300 mg o AAS não tem efeitos antitérmicos em adultos. “Nessa dose baixa não funciona como analgésico e antitérmico [como no caso do AAS adulto, que é de 500 mg]. É um antiagregante plaquetário. Ele muda e deixa o sangue menos viscoso”, diz Jardim

Soeiro, no entanto, lembra que o AAS não deve ser consumido indiscriminadamente, já que, como qualquer medicamento, pode haver efeitos colaterais.

Heron Rached, cardiologista do Hospital Bandeirantes, diz que é importante que a população faça check-ups regulares para avaliar o risco de infarto. “Paciente que já infartou uma vez, tem possibilidade de ter outro infarto, então ele já faz uso da medicação [AAS]”, diz ele. “O ideal é fazer avaliação do risco, se tem diabetes, é fumante, entre outros”, recomenda.

Tossir e deitar

Já quando se fala da recomendação de tossir a cada dois segundos para interromper um infarto, a avaliação dos profissionais é outra: ela não procede, segundo os cardiologistas.

Entretanto, segundo César Jardim, em alguns casos muito específicos, forçar uma tosse poderia ajudar. “São situações específicas que só o médico percebe, como quando há alguma alteração do ritmo, em que vai ter um reflexo vagal. É uma questão muito técnica”, diz ele, ressaltando que a pessoa que está infartando não conseguirá perceber isso.

“O infarto pode acontecer de muitas maneiras, evoluir de formas diferentes. Alguns têm muita dor, alteração de pressão, arritmias cardíacas, uma série de situações. E, só em algumas situações específicas de alguns distúrbios do ritmo, a tosse poderia trazer algum benefício”, completa.

O cardiologista do Incor explica que tossir, ao menos, não fará nenhum mal a quem está infartando.

Se tossir não traz riscos, o mesmo não se pode falar de deitar e dormir. Os profissionais também categóricos: é proibido deitar, dormir e deixar de ir ao hospital quando se está infartando.

“Na verdade, o paciente não deve deitar para dormir, justamente porque deve ir ao hospital mais próximo”, brinca Alexandre Soeiro. “Quanto ao movimento de deitar em uma cama dentro do hospital, por exemplo, não existe nada relacionado a isso”, tranquiliza.

Fonte: IG

Imagens: Getty Images

Sobre Dr Euclydes Dias Biichler

Dr Euclydes Dias Biichler
Dr. Euclydes Dias Biichler ( CRM - 80809) Formado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Valença - Endocrinologia - Membro Sociedade Brasileira Medicina. Atuando na área: » Performance Esportiva. » Obesidade. » Andropausa. » Menopausa.
Vá para o topo
Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com